sábado, 25 de março de 2017

ANTOLOGIA DA POESIA ALENTEJANA (3)

Ode ao Cantador Alentejano (1955)

A terra deu-te cansaços,
prendeu-te as mãos à charrua,
lavrou-te em sulcos o rosto.
E tu, cantador, de braços
abertos à luz da lua,
quentes pelo sol de Agosto,
sentes na dor que te espanta
subir-te a alma à garganta,
à cor morna do sol-posto.

E a canção nasce, e é tanta
a tristeza que a possui,
que em alma a dor se dilui
num monótono desgosto...

“Pus-me a chorar saudades
ao pé da fonte, um dia...”
(Quem faz badalar Trindades
com tanta melancolia?)

“Mais choravam os meus olhos
que água da fonte corria...”
(Calai vossas mágoas fundas,
sinos de Santa Luzia!)

Vamos, cantador, levanta
à lonjura que te aguarda
a voz colorida e nobre
- que é tua a Terra-Mãe parda
e o céu azul que te cobre!

Vamos, cantador, não temas:
soltar à planura deserta
a voz que não quer algemas,
serenamente liberta
na noite que te circunda:
que o coração é mais forte
e a seiva borbulha funda!...

A terra deu-te cansaços.
Mas na largueza dos prados,
sob os mudos sobreirais,
marcas ao som de compassos
 e ritmos cadenciados
o ondular dos trigais,
a fundura dos cabeços
e o verde dos olivais!

E a canção, tornada ânsia,
passeia o cume dos montes,
galga o azul da distância,
enche os largos horizontes.
.......................................
Deus deu-te esta terra nua,
que é terra de todos nós,
e quando a mágoa te espanta
sobe-te a alma à garganta
e sai transmudada em voz!...
Domingos Janeiro (1955)

In A Planície, Ano V, nº 96, Moura, 1/7/1956 

sexta-feira, 24 de março de 2017

Corrida pedestre Monsaraz Natur Trail vai ter 1300 participantes de Portugal, Espanha, Inglaterra e Brasil

 A corrida pedestre Monsaraz Natur Trail, que vai decorrer no dia 26 de março, com partida às 9h junto ao Convento da Orada, próximo da vila medieval de Monsaraz, terá 1300 participantes de Portugal, Espanha, Inglaterra e Brasil. Esta prova organizada pelo terceiro ano consecutivo pelo Grupo Desportivo Piranhas do Alqueva com o apoio da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz vai ter percursos de 44, 22 e 10 quilómetros de extensão e uma caminhada de oito quilómetros.
 O Monsaraz Natur Trail pretende dar a conhecer o património histórico e paisagístico do concelho de Reguengos de Monsaraz. No Trail Curto de 10 quilómetros haverá 407 participantes, no Trail Longo de 22 quilómetros há 502 inscrições confirmadas e no Trail Ultra vão correr 186 atletas. Na caminhada de oito quilómetros estão inscritos 200 participantes.
O Convento da Orada é o local de partida e de chegada das provas. A vila medieval de Monsaraz, a Ermida de São Bento, a Fonte da Colaça e a localidade de Motrinos são alguns dos pontos interessantes para assistir às provas.
O Monsaraz Natur Trail vai ter como padrinhos Ezequiel Ezi, atleta alentejano que venceu a Rock’n’Roll Maratona de Lisboa, e Carmen Henriques, uma das atletas mais acarinhadas a nível nacional pela sua simpatia.
Nuno Machado, diretor da prova, considera que “a edição deste ano do Monsaraz Natur Trail é a confirmação do nascimento de mais um evento de alto nível no Alentejo, passando a ser um dos maiores Trails do centro e sul do país. A presença de mais de 300 espanhóis confirma também a internacionalização desta prova. Os dados estão lançados, agora faremos tudo para todos os participantes saírem satisfeitos de Monsaraz”.
José Calixto, Presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, afirma que “é com muita satisfação que o concelho recebe esta prova com 1300 participantes, constituindo-se como a maior competição desportiva do ano da região, e que evidencia a excelente atividade e dinamismo do associativismo em Reguengos de Monsaraz. Felicito o Grupo Desportivo Piranhas do Alqueva pelo êxito que atingiu com o Monsaraz Natur Trail e que ficou claramente demonstrado pela enorme recetividade dos atletas que se inscreveram este ano, pois com apenas duas edições realizadas conseguiu mobilizar um número surpreendente de participantes”.

SINES: Encontro de Poetas Populares

A Biblioteca Municipal de Sines promove um encontro de poetas populares este sábado, 25 de março, às 21h00, no auditório do Centro de Artes de Sines.
Estarão presentes os poetas Alda Broncas, António Courelas, Dulce Gomes, Maria Antónia Rodrigues, Mário Montes, Raquel Cruz e Teresa Palmeira.
Os poetas Antónia Romão, Biana e Carolina Palminha e Domingos Casa Branca não poderão estar presentes, por razões de saúde, mas serão evocados. Os seus textos serão lidos por Cristina Fernandes.
Será feita uma homenagem ao poeta Aleixo dos Santos, que faleceu recentemente.
O encontro terá momentos musicais, da responsabilidade do Quarteto de Cordas Comboio Descendente, formado por Caio Oshiro, Miguel Pyrrait, Helder Mónica e Rita Ramos.
Os vídeos e a direção geral do recital são da responsabilidade de Luís Cruz.
Esta iniciativa, integrada nas comemorações do Dia Mundial da Poesia, tem como objetivo celebrar a poesia popular e contribuir para a preservação e valorização desta arte, bastante enraizada no concelho de Sines.

Os bilhetes são gratuitos.

MONFORTE: Formação "O livro na Primeira Infância - O que escolher? Como contar?"


Idanha apresenta 27 candidaturas na corrida às 7 Maravilhas de Portugal®

Já são conhecidas as aldeias candidatas às 7 Maravilhas de Portugal®, concurso que este ano é dedicado às Aldeias. O Município de Idanha-a-Nova foi o que maior número de candidaturas submeteu: 27 para 21 povoações.
Foram apresentadas candidaturas a todas as sete categorias deste concurso nacional, incluindo a Aldeias de Mar, categoria em que Penha Garcia, fértil em vestígios fósseis, conta a história da vida nesta região há 480 milhões de anos, quando era um imenso mar onde reinavam as trilobites e seus predadores, num impressionante mundo de biodiversidade aquático.
 A diversidade, a tradição e as potencialidades de todo o concelho estão, portanto, agora a concurso, nas categorias Aldeias-Monumento, Aldeias Autênticas, Aldeias Rurais, Aldeias Ribeirinhas, Aldeias em Áreas Protegidas, Aldeias Remotas e Aldeias de Mar.
Pela sua especificidade, Idanha-a-Velha, Monsanto e Penha Garcia concorrem em três categorias distintas. A estratégia para as restantes aldeias foi a candidatura à categoria onde demonstram maior potencialidade.
 «Com esta candidatura pretendemos chegar a todo o País, e apresentar um Município alternativo aos centros urbanos, uma região plena de oportunidades. Nas nossas aldeias-candidatas encontramos património histórico, natural e gastronómico. Encontramos pessoas. Gente que aqui permaneceu, ou que confiou em nós e para cá se mudou no âmbito de programas de incentivo por nós lançados, como o Recomeçar. As nossas candidatas espelham uma Idanha inspirada e renovada, sem perder a tradição e a portugalidade que tão bem nos caracterizam», explica o Presidente da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, acrescentando que é «um orgulho ser o Município com o maior número de candidaturas».
 Fortes candidatas em todas as categorias, as 21 aldeias idanhenses beneficiam de uma estratégia de desenvolvimento apoiada na modernização da ruralidade, a par de um importante histórico no rol de distinções. A aposta na riqueza natural e histórico-cultural ímpar de Idanha-a-Nova, território UNESCO com uma ruralidade de excelência, faz parte da estratégia do Município. Idanha-a-Nova é, ainda, Cidade Criativa da UNESCO, no âmbito da Música, tem duas aldeias na Rede de Aldeias Históricas de Portugal e integra o Parque Natural do Tejo Internacional (Reserva da Biosfera da UNESCO) e o Geopark Naturtejo, Geoparque Mundial da UNESCO.
As candidatas Idanhenses às 7 Maravilhas de Portugal®:
* Aldeias-Monumento (Idanha-a-Velha, Monsanto e Penha Garcia);
* Aldeias Autênticas (Aldeia de Santa Margarida, Idanha-a-Velha, Medelim, Monfortinho, Monsanto, Penha Garcia e São Miguel de Acha);
* Aldeias Rurais (Alcafozes, Ladoeiro, Monsanto, Oledo, Proença-a-Velha, Toulões e Zebreira);
* Aldeias Ribeirinhas (Idanha-a-Velha e Termas de Monfortinho);
* Aldeias em Áreas Protegidas (Rosmaninhal, Salvaterra do Extremo e Segura);
* Aldeias Remotas (Cegonhas, Coutos do Correias, Soalheiras e Torre);
* Aldeias de Mar (Penha Garcia).

AVIS: Noite de Fados Solidária

A Santa Casa da Misericórdia de Avis, contando com o abraço solidário do Município de Avis, do Rancho Folclórico de Avis e de outras entidades sediadas no espaço concelhio, organiza, no próximo dia 25 de março, uma Noite de Fados Solidária.
O espetáculo, com início, às 21h30, na Casa do Povo, em Avis, tem como finalidade a angariação de fundos destinados a apoiar aquela Instituição que tem como missão a promoção e o desenvolvimento de respostas sociais na defesa dos mais necessitados e vulneráveis.
Para esta noite, com entradas pagas através de um "contributo solidário", reservados estão já muitos momentos de música com a atuação de um prestigiado elenco de artistas como António Cachudo, Paula Cruz, Maria Custódia e outros convidados, que darão voz ao fado, acompanhados pela Viola de Alexandre Gomes e pela Guitarra Portuguesa de Nuno Cirilo.
Seja solidário. Abrace esta causa!

FMM em Sines: De Marrocos a Porto Rico, mais música confirmada

O FMM Sines – Festival Músicas do Mundo sempre foi um festival de descobertas e voltará a sê-lo na sua edição de 2017, que se realiza de 21 a 29 de julho em Sines e Porto Covo. De África, Médio Oriente, Sudeste Asiático, Américas e Europa, estão confirmados mais nove concertos, de artistas que começam agora a chegar aos públicos internacionais da música ao vivo ou que estão finalmente a receber o reconhecimento merecido.
A-WA (lê-se ei-uá) é um trio de irmãs nascidas no sul de Israel que funde o folclore iemenita judaico com a música de dança. Descobertas por Tomer Yosef (Balkan Beat Box), com quem trabalharam no disco de estreia, Tair, Liron e Tagel Haim cantam poemas de amor e protesto em dialeto arábico iemenita. São um dos grupos em mais rápida ascensão da música de dança de textura global.
BCUC (por extenso: Bantu Continua Uhuru Consciousness) é uma banda na tradição da música de protesto do Soweto, África do Sul. Fazem música afropsicadélica (a que dão o nome trava-línguas “Africangungungu”), expressa em longas digressões funky movidas por baixo elétrico, voz e percussão. Cantam em zulu, sotho e inglês e não hesitam quando é preciso denunciar o lado menos colorido da Nação Arco-Íris.
Den Sorte Skole é o duo de produtores e compositores dinamarqueses Simon Dokkedal e Martin Højland. Os seus espetáculos são “sinfonias” dançáveis criadas a partir de samples de discos de todos os géneros e de todas as partes do mundo. Mais do que DJ sets, são esculturas sonoras feitas a partir de colagens de fragmentos da herança musical da humanidade. Serão acompanhados pelo artista visual Dark Matters.
ÌFÉ é o projeto musical de Otura Mun, cantor, produtor e percussionista que do estado americano do Indiana voou para Porto Rico, onde está radicado desde os anos 90. Sacerdote do culto de Ifá da religião ioruba, Otura incorpora na sua música de dança de matriz R&B o contributo dos ritmos afrocaribenhos e dos cantos sagrados da sua fé. Depois de vários singles de grande sucesso, o seu álbum de estreia é lançado em 2017.
A cultura de raiz ioruba subjaz à proposta criativa de outro concerto do FMM Sines 2017. Metá Metá (que significa “três ao mesmo tempo” na língua ioruba) é um trio de São Paulo que junta Juçara Marçal, na voz, Thiago França, no saxofone, e Kiko Dinucci, na guitarra. Música afro-brasileira, jazz e grandes culturas musicais africanas – Marrocos, Etiópia, Níger e Mali – inspiram o seu disco mais recente, “MM3”.
N3rdistan é um quarteto liderado pelo cantor marroquino Walid BenSelim. A música do grupo recolhe elementos na música eletrónica, no rap e da poesia de grandes autores do Levante. Com a rapper Widad Brocos, Walid dialoga em ritmo sincopado no dialeto darija, que aprendeu nas ruas de Casablanca. A flauta de Benjamin Cucchiara e a bateria de Cyril Canerie dão substância instrumental ao som do grupo.
Em 2017, prossegue com Romperayo a visita anual do FMM Sines à nova música colombiana. Romperayo é um quarteto instrumental que faz regressar a Sines o percussionista Pedro Ojeda, que já cá tinha estado com Los Pirañas. É ele quem marca o ritmo alucinogénico desta incursão pelos sons psicadélicos da cumbia dos anos 70 e por outros ritmos tropicais fundidos com a música eletrónica e com o jazz.
Simply Rockers Sound System é um sistema de som móvel português inspirado nos mestres que construíram os primeiros sound systems na década de 50 do século passado nas ruas de Kingston, na Jamaica. Ativo desde 2012, o Simply Rockers Sound System divulga o passado, o presente e o futuro da música roots rock reggae dub através de sessões de dança com Ernesto Honesto, Natty Fred e Joydan.
The Barberettes é um trio de Seul que recupera a tradição dos grupos de doo-wop dos anos 50 e 60. São uma divertida e despretensiosa viagem no tempo até à idade de ouro dos agrupamentos de harmonias vocais e ao estilo Barbershop (de onde vem o seu nome). A sua principal referência são The Kim Sisters, outro trio sul-coreano de doo-wop, que fez fama e carreira nos EUA há mais de cinco décadas.
Foto A-WA (c) Hassan Hajjaj